Vladimir Lênin - A luta de partidos na China

Atualizado: Jan 21



Escrito em 28 de abril (11 de maio), 1913 

Publicado em 3 de maio de 1913 em Pravda No. 100


O povo chinês conseguiu derrubar o velho sistema medieval e o governo que o apoiava. Foi criada uma república na China e o primeiro parlamento desse grande país asiático, que há muito tinha alegrado o coração dos reacionários de todas as nacionalidades pela sua imobilidade e estagnação – o primeiro parlamento chinês foi eleito, convocado e está reunido há várias semanas.

Na câmara baixa, das duas câmaras do Parlamento chinês, uma pequena maioria pertence aos apoiantes de Sun Yat-sen, o Partido Kuomintang, os "nacionalistas" - para expressar a essência deste partido no contexto das condições russas, ele deveria ser chamado de partido republicano radical-Narodnik; um partido democrata. Na câmara superior, o partido tem uma maioria mais considerável.

Este partido é composto por pequenos partidos moderados ou conservadores com todos os tipos de nomes como "Radicais", e assim por diante. Na verdade, todos esses partidos são partidos de reacionários, ou seja, burocratas, proprietários de terras e burgueses reacionários. Todos eles gravitam para o Cadete Chinês Yuan Shihkai, o presidente provisório da República, que tem agido cada vez mais como um ditador. Como um cadete, ele tem sido pragmático: ontem ele era um monarquista; agora que a democracia revolucionária venceu, ele é um republicano; amanhã se ele pretender ser o chefe de Estado, novamente de um estado monárquico, trairá a República.

O partido de Sun Yat-sen está baseado no sul da China, que é a região mais avançada, mais desenvolvida industrialmente e comercialmente, e onde a influência da Europa foi maior. O partido de Yuan Shihkai está baseado no norte da China. Os primeiros confrontos terminaram até agora em uma vitória para Yuan Shihkai: ele uniu todos os partidos "moderados" (ou seja, reacionários), dividiu uma seção dos "nacionalistas", conseguiu que seu homem ocupasse o cargo de presidente da Câmara Baixa do Parlamento e, contra a vontade do Parlamento, garantiu um empréstimo da "Europa", ou seja, dos bilionários vigaristas da Europa. As condições do empréstimo são duras, extremamente repleta de usuras, com as gabelas de sal (os impostos) como garantia. O empréstimo colocará a China no joguete da burguesia européia mais reacionária e pilhadora, que está disposta a acabar com a liberdade de qualquer nação, uma vez que se trata de lucros. Os capitalistas europeus irão colher lucros tremendos com este empréstimo de quase 250 milhões de rublos. 

Trata-se de uma aliança entre os reacionários com medo do proletariado europeu, por parte da burguesia europeia, e as classes e setores reacionários da China. Para o partido de Sun Yat-sen a luta contra esta aliança é muito dura. Qual é a fraqueza deste partido? Ela reside no fato de que ele ainda não foi capaz de envolver amplas massas do povo chinês na revolução. O proletariado na China ainda é muito fraco e portanto, não há nenhuma classe dirigente capaz de empreender uma luta resoluta e consciente para levar a revolução democrática até seu fim. O campesinato, sem um líder na pessoa do proletariado, está terrivelmente oprimido, passivo, ignorante e indiferente à política. Apesar da derrubada revolucionária da velha e completamente corrupta monarquia, apesar da vitória da república, a China não tem sufrágio universal! As eleições para o Parlamento tinham uma qualificação: só aqueles que possuíam bens avaliados em cerca de 500 rublos tinham direito a votar! Isto também mostra quão pouco da massa popular verdadeiramente vasta foi ainda atraída para o apoio ativo da República Chinesa. Mas sem um apoio tão maciço, sem uma classe dirigente organizada e firme, a República não pode ser estável.

Ainda assim, apesar das grandes deficiências de seu líder Sun Yat-sen (hesitação e indecisão, que são devidas à sua falta de apoio proletário), a democracia revolucionária na China tem feito muito para despertar o povo e ganhar liberdade e instituições consistentemente democráticas. Ao atrair massas cada vez maiores de camponeses chineses para o movimento e para a política, o partido de Sun Yat-sen está se tornando (na medida em que este processo está ocorrendo) em um grande fator de progresso na Ásia e do progresso da humanidade. Quaisquer que sejam as derrotas que possa sofrer por parte dos políticos espertalhões, aventureiros e ditadores, que dependem das forças reacionárias do país, os esforços deste partido não terão sido em vão.

19 visualizações